segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

ESTÂNCIA VELHA: SAÚDE NA UTI E ÂNGELA MARMITT FAZ DE CONTAS QUE É SECRETÁRIA

Alegando ter feito investimento na saúde de Estância Velha/RS na ordem de 32% do orçamento do município, José Waldir Dilkin neste setor, também vive o seu inferno astral e Ângela, ao invés de agir como secretária de saúde, tem como objetivo principal, perseguir aqueles aos quais ela entende como seus desafetos.

Os muitos usuários também estão vivendo o mesmo problema uma vez que ao procurarem as UBSs e as especialidades que deveriam ter médicos para atendimento, estão convivendo com uma única explicação: não tem médico.

Na manhã desta segunda-feira, na unidade da Nova Estância a cena se repetiu: os usuários foram buscar atendimento para seus males e tiveram de voltar pra casa com suas doenças por curar devido a falta de médicos para atendê-los.

No Hospital Getúlio Vargas, uma fonte informou que um usuário foi levar o filho para atendimento e pegou uma cadeira de rodas o mesmo. O recepcionista no entanto, havia questionado se o cidadão havia pedido licença para pegar a cadeira e mandou que a deixasse e pedisse para o recepcionista para usar.

Já uma outra fonte informou que ao levar o pai para atendimento que estava com sangramento no carro, ao chegar no guichê, a recepcionista ao começar a fazer o atendimento, pediu que esperasse e se pôs a pedir seu lanche por telefone e detalhando o que queria. 

Não obstante, ligou para a colega e perguntou se a mesma também queria e aproveitou para perguntar se outros queriam também. (O lanche chegou primeiro que o atendimento a pessoa que queria registrar o pai para internação).

Também no Getúlio Vargas, a falta de médicos tem sido uma constante e a espera por atendimento pode chegar até seis horas de espera.

Ângela é persona non grata perante os funcionários da saúde. 

Concursada como técnica em enfermagem, esta é a atividade que ela não exerce e quando da primeira eleição de Dilkin, realizou trabalhos dentro da unidade de saúde do centro como fisioterapeuta e, segundo informações, a 22 anos Ângela está em desvio de função.

A verdade no entanto, é que a saúde dos estancienses está indo de mal a pior e os exames também tem sido um verdadeiro inferno para conseguir, principalmente os especializados, uma vez que tem serviços terceirizados que não atendem mais a Estância Velha, por dívidas com estes serviços.

Uma fonte informou o que pode se chamar não apenas de absurdo mas também de total abuso de poder; Ângela estaria retendo consigo os exames dos pacientes que deveriam ser encaminhados diretamente para os médicos.

Já a Agência Transfusional, está sofrendo  com descaso de Ângela e como ela é maquiavélica, seu objetivo é prejudicar a idealizadora do banco de sangue; Ana Escher.

Além do mais, as horas que eram pagas para prestar este serviço e estar de sobre aviso 24 horas, 7 dias da semana, foram cortadas deliberadamente e a secretária agora está promovendo curso de capacitação a outras funcionária que não tem o trato com um trabalho que requer total rigor e atenção.

De igual forma, o descaso com os doadores tem sido uma prática comum para Ângela Marmitt e nem mesmo o transporte está sendo mais oferecido para levar os doadores ao Hemocentro em Porto Alegre.

Enquanto a 'secretária' se preocupa em sua caça as bruxas; faltam remédios, materiais para procedimentos, sobre carga de trabalho para os funcionários do hospital, falta de médicos também nas unidades de saúde e dor de cabeça para os usuários do SUS. Tudo pela incompetência e arrogância da que se diz: Secretária de Saúde de Estância Velha: Ângela Marmitt, a outra integrante do nazismo imposto por José Waldir Dilkin, que está com seus dias contados a frente da prefeitura da cidade.

Até lá, ter-se-á que se conviver com os abusos de poder até mesmo numa área considerada essencial; a saúde.

Um comentário:

  1. antoninho spengler28 de janeiro de 2013 18:00

    concordo plenamente que deve haver, infelizmente, desvios em quase todos os setores da prefeitura, porém creio que deveríamos mostrar o caminho correto para as pessoas prejudicadas saberem exatamente o que fazerem, porque na política todos sabemos que sem provas concretas, tudo fica no empurra-empurra e nada funciona. Mostrar a quem procurar,testemunhas, ministério publico,policia, etc.. e principalmente dizer a estas pessoas que nos atendem mal, que estãoali, porque nós as pagamos e temos poderes demandá-las de volta para casa.

    ResponderExcluir