sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

O FATÍDICO TEMA DA FARRA DAS DIÁRIAS EM ESTÂNCIA VELHA/RS

Sinto-me obrigado a escrever sobre este tema atendendo ao pedido de Franciana Laparini, que nos muitos comentário na página do Argentino sobre o artigo que escrevi sobre a vereadora Sônia de Brites, que, diga-se de passagem, já rendeu mais 1.083 leituras.

Antes porém, quero fazer alguns registros de comentários sobre minha pessoa que fizeram, o que prova a total falta de conhecimento sobre quem sou e, pior; tamanha é a ignorância de uma boa parcela do povo acéfalo de Estância Velha, que mesmo estando a uma curta distância da capital, Porto Alegre, consegue ser tão alienado. Isto ainda deve ser o resultado do coronelismo dos tempos dos curtumes, hoje falidos, que imprimiam seus quereres e as notícias mais fidedignas, são as das bocas fofoqueiras e malévolas. Deve ser por isto também, que Estância Velha se mantém num ostracismo praticamente sem fim.

Vez ou outra, dou uma escapada para outros centros afim de não me contaminar com tamanha ignorância e, quando cheguei a cidade, observando o comportamento de seus habitantes, eu disse: nesta cidade, quem tem um olho é rei e assim mesmo, é míope.

Passados quase sete anos, ao que parece nem um óculos de grau foi colocado nos que se dizem reis e muito menos nos súditos que continuam, além de cegos...surdos e os que falam, precisam quem sabe, de seções de fonoaudiologia, porque quase nada se entende, mas é natural, porque nem estes entendem o que dizem, afinal, o que dizem é fruto de um processo acéfalo.

Enfim, os comentários dos acéfalos, não dou a mínima importância, prefiro os comentários inteligentes, de gente que está ligada, de gente que busca o conhecimento além da fofoca e da notícia paga a preços altos a tabloides sem qualquer respeito pela informação seria e confiável, como é o caso o comentário de Vitória Ferreira.

Já os comentários difamatórios, sugiro que sejam retirados, afinal, isto é dano moral e com certeza, é ganho de causa. (Acéfalos, eu trato assim).

Mas vamos ao tema central:

Sempre fui contra estas tais viagens de cursinhos, ainda, que para quem não saiba, está registrado em lei, este direito a viagens para aperfeiçoamento e como dizem: é imoral, mas é legal!

Sempre chamei a estas viagens, de caça-níquéis e um dos motivos óbvios: sustentar o assistencialismo que eu chamo de burro e sem nenhum dividendo real para o município.

Outro motivo, é o fato de que nenhuma legislatura teve e não terá coragem de colocar o salário do vereador no teto de 30% do que ganha um deputado estadual e isto também, é motivo para o atrofiamento da renovação do quadro político impedindo quem sabe, pessoas mais qualificadas de concorrer ao cargo.

A tal farra das diárias, como dizem, não se limita aos vereadores e, na época, a assessores, mas, para todos os que compõe a casa legisladora e isto inclui, a própria faxineira. Isto sim, é o absurdo dos absurdos!

Em uma conversa com o ex-vereador Tomé, eu disse: cara, estas viagens são sem noção! Já que vocês precisam complementar o salário, então que façam viagens que dêem retorno a população, como por exemplo: viajar para uma cidade onde aja um projeto interessante que possa ser aplicado na cidade; viajar a Brasília para pleitear recursos para a cidade e, na volta, comunicar a população em relatório e na imprensa, o resultado da viagem. O problema Tomé, é que vocês fazem estas viagens e não tem retorno nenhum, além do mais, aqui em Porto Alegre, tem os mesmo cursos.Se vocês não se pronunciarem perante a população, isto vai dar problema. (Ironicamente, foi a assessora dele quem deu pano pra manga).

Com relação a devolução de valores que a vereadora Sônia tanto bate na tecla, ela primeiramente deveria questionar sobre os muitos valores comprovadamente desviados no executivo do seu partido. Tanto é verdade, que o TCE, desaprovou as contas do prefeito do ano de 2011 e a de 2012 é pior ainda. (Já publiquei o relatório do TCE neste blog que recebi, do próprio órgão), além do mais, o processo de cassação do prefeito continua de vento em popa no TRE, justamente por abuso de poder, compra de votos e etc. Mas, a vereadora insiste em negar a realidade dos fatos.

Este parecer do TCE sobre devolução de valores, diz respeito aos presidentes da casa e trata-se de um valor global, o que em verdade, foi o compartilhamento da cedência de viagens aos demais vereadores, portanto, o valor noticiado, não é verídico ou seja: não é gato pleno do vereador em exercício do cargo de presidente e por isto, é também questionável.

A vereadora, é sem sombra de dúvidas, parcial e conivente com os atos do executivo, afinal, ela quer tanto a devolução do dinheiro das viagens caça-níquéis, mas não pede devolução das viagens do CCs do executivo e do prefeito, que, diga-se de passagem, o valor é praticamente o dobro. Dois pesos, duas medidas.

A lei vigente está errada, o correto, se fosse o caso, cada um que viajou e gastou além do previsto, deveria devolver e não ser computado tudo ao presidente, como é o caso e como fez o ex-assessor, Evandro Osório, que, por seus motivos, devolveu valores de suas viagens.

Ficar latindo sobre a tal farra das diárias, é perda de tempo e total falta de lucidez em perceber que a cidade está jogada as traças e aí sim, punir os vereadores pela ausência de uma fiscalização mais rígida perante o executivo, afinal, é para isto que eles são mau pagos, mas, como aceitaram, que façam o que se comprometeram com o povo quando foram pedir o voto.

Por outro lado, a ausência de projetos ou ante-projetos relevantes para o município, é uma constante, legislatura após legislatura. Exemplos clássicos, temos nas figuras de Gringo - Cláudio Hansen - Dudu, (estes, a anos no legislativo e projetos que é bom... nada).

Os outros que passaram e que aí estão não fogem a regra e isto vale para a vereadora autoritária, Sônia de Brites.

Eu, por minha vez, (e aí respondendo a comentário mais do que idiotas), através do vereador Carlito, ingressei com três projetos na Câmara: Feira do Produtor nos bairros, que deve começar ano que vem, que além disto, beneficia nossos pequenos agricultores em outras áreas; Turismo Rural, porque entendo que a cidade tem potencial para explorar este viés econômico com sucesso e, na próxima terça-feira, deverá ser votado o projeto que versa sobre proteção aos animais, com fulcro em lei federal.

Um outro projeto, que trata da regulamentação e regularização das mães crecheiras, também de minha autoria deverá ficar para o ano que vem, devido letárgico compasso do meu amigo vereador Carlito Borges. Ou seja: enquanto alguns ainda latem sobre a farra das diárias, eu prefiro pensar a cidade e ajudar a resolver seus problemas.

O próximo, que também ficará para o ano vindouro, versa sobre a questão dos loteamentos aprovados a toque de caixa, que se não barrados na forma da lei, tratá enormes prejuízos ao município em médio e longo prazo. Também de minha autoria.

Penso, que esta postura de muitos, é igual a do corno/corna, que fica com as sequelas da traição e aí, toda a mulher é puta e todo o homem é canalha e por conta disto, não conseguem ser felizes e nem mesmo vislumbrar novas oportunidades que a vida possa oferecer. 

Por conta disto e dos acéfalos, Estância Velha continuará presa ao passado e ao ostracismo. Que pena, uma cidade com um potencial enorme encoberto pela ignorância e falta de conhecimento e informação.

Luigi Matté