terça-feira, 3 de março de 2015

ESTÂNCIA VELHA/RS: MP ACIONA PF PARA INVESTIGAR O VEREADOR SACI POR COMPRA DE VOTOS

O vereador Saci, como é conhecido, desconheceu o poder que a UNASEV - União Das Associações De Estância Velha, poderia ter.

Ele, que desqualificou a entidade por sua muita arrogância, não poderia imaginar que esta, através de seu presidente, Luigi Matté, fosse encontrar um caminho de compra de votos na eleição de 2012.

Haviam rumores, mas nada que pudesse comprovar a prática.

Persistente, o presidente da entidade continuou na busca do ninho onde poderia encontrar os votinhos comprados e encontrou.

De posse de um vídeo, nomes de testemunhas e outros, ingressou com uma
representação no Ministério Público, que em princípio, estava demorando para tomar uma atitude, até que, por nova intervenção do presidente, as coisas começaram a andar novamente e, segundo informações do próprio MP, nas sexta-feira passada, a promotora eleitoral, encaminhou ofício, para a Polícia Federal instaurar inquérito sobre a compra de votos do vereador, que, também segundo informações, tem pretensão de concorrer a prefeito em 2016 por seu partido; o PSB.

As provas já juntadas, seriam suficientes para ingressar com ação por crime eleitoral, mas, a decisão da promotora poderá, através da PF aprofundar e aumentar o número de votos que foram comprados para que o vereador se elegesse. 

É sabido que um IP da PF é demorado, mas é sabido também, que uma vez comprovados os fatos, dificilmente há reversão na decisão na esfera judicial.

Desta forma, a partir de agora, o vereador terá de conviver com a sombra da PF e suas múltiplas, onde um agente pode estar ao lado do investigado e este não saber.

Por outro lado, com este IP instaurado, é bem possível que o vereador tenha de rever seus projetos e, de igual forma, não se pronunciar junto aqueles ao qual, deu dinheiro ou outro incentivos para angariar votos de forma fraudulenta.

A Voz já fez matéria sobre este assunto, mas agora, de fato, o encaminhamento já foi feito pelo MP e cabe a PF fazer o IP.

Um vídeo que aqui também já foi publicado, é peça fundamental para a comprovação da compra de votos e, para efeito judicial, não pode ser editado ou ter cortes.


                           

Será muito difícil o vereador negar o fato e muito menos a testemunha. Desta forma, o desfecho possível deste IP, seja a cassação do mandato do vereador, agora, é apenas uma questão de aguardar o desfecho deste crime eleitoral.