segunda-feira, 16 de outubro de 2017

E. VELHA/RS: SEM DINHEIRO PARA SERVIÇOS ESSENCIAIS, EXECUTIVO GASTA MAIS DE R$ 170 MIL EM CHIMARRODRÔMO


Ainda não sabemos o que motivou a saída do secretário de fazenda da atual administração, João Steffanelo, mas, presume-se que com o desarranjo nas contas públicas, pode se deduzir que o então secretário não tenha encontrado espaço para gerir os recursos, coisa que a atual administração, com certeza, não está sabendo administrar na forma da lei de Responsabilidade Fiscal.

O dinheiro jogado pelo ralo, (jargão popular), vem acontecendo desde o início do mandato da atual prefeita, Maria Ivete de Godoy Grade e já está faltando dinheiro para honrar compromissos e/ou, investir de forma planejada e de acordo com as necessidades do município.

A população já está reclamando da falta de remédios. Na Assistência Social, as cestas básicas também estão escassas, mas os acordos de campanha feitos pela prefeita, estão sendo cumpridos a risca.

Mais exemplo de desperdício de dinheiro público, está na construção de um chimarrodrômo ao custo de mais de R$ 170 mil, obra esta que além de estar dando o que falar pelo custo, se trata de uma obra desnecessária considerando o atual momento econômico do país.

Além do já narrado, a marcação de exames está se dando apenas a cada início de mês e com um número bastante reduzido, o que leva a crer, a falta de credenciamento, ou de dinheiro para pagar serviços de exames complementares e especializados.

No entanto, a acomodação de cargos em comissão já é vista como ultrapassada pelo também desgoverno de José Waldir Dilkin, mas a prefeita parece ignorar que é um custo muito elevado para honrar com o dinheiro público suas promessas de campanha.