sexta-feira, 31 de julho de 2009

CRIME MAIS DO QUE ORGANIZADO (parte II)

Já não dá mais para assistir as notícias ou mesmo lê-las, até parece que as telas do PC de quem as escreve ou, as notícias televisas são a repetição gravada da notícia de mais de mês. Você já prestou atenção a isto? Porque, as personas podem ser diferentes, mas o modus operandis, sempre parecem ser o mesmo, mudando vez ou outra algum detalhe.

Crime mais do que organizado!Mas como, o que outrora quando acontecia, era algo do tipo; fatalidade. Andava-se pelas ruas até altas horas, moços e moças, homens e mulheres e não poucas vezes acompanhados de suas proles e tudo não passava de uma boa caminhada a pé, fosse vindo da casa de amigos, de um bar, de uma sorveteria, da danceteria e assim por diante.

Crime organizado era coisa de oligopólios, coronéis e elites, mas tudo muito bem orquestrado e praticamente sem levantar qualquer sombra de dúvidas. Eram crimes pela disputa de fatias maiores de mercado, posse de terras e, aumentar as riquezas e manipular os ignorantes.

É verdade que isto acontece até os dias de hoje e de forma mais do que escachada, adentrando a via pública em todas as esferas. Porém, paralelamente, começou a pouco mais de uma década o aumento vertiginoso do crime organizado e este; o das favelas, do submundo.

Todos inspirados na máfia, em especial; a italiana. Além de organizado, tem suas logomarcas: PCC, CV e por aí vai e tem também os dos partidos políticos onde se escondem verdadeiros mafiosos, com longos tentáculos, atingindo até mesmo o intocável poder judiciário.

Quanto às polícias, destas nem precisa discorrer muito, estão não folha de pagamento de traficantes, dos banqueiros do jogo do bicho, (nem todos é claro), mas tem dado muito que falar e o jargão de que vale mais confiar no bandido do que na polícia continua em alta e infelizmente, tornando-se cada vez mais; uma dura realidade, para quem tem de se sujeitar a tanto.

Penso que já não há mais solução para este problema, ao qual denominamos segurança, mas segurança no que, em quem? O deputado do mansão de 25 milhões, foi plenamente absolvido pelo conselho de ética, não poderia ser diferente, muitos dos que tomam parte neste conselho tem processos graúdos em andamento.

Como podem julgar alguém se seus próprios atos os incriminam? Ta na hora de revermos nossos conceitos a respeito do todo ou, o caos estará cada vez mais dentro de nossas próprias casas e viveremos mais acentuadamente; um salve-se quem puder, se puder.

PS: Este é outro que também escrevi em 2009 e como podemos ver, tudo está cada vez pior. O exemplo disto, é o que está acontecendo em S. Paulo, Rio e agora, Santa Catarina.

A omissão do estado, das câmaras e do senado, são o resultado direto destes acontecimentos, mas, mesmo assim, ainda temos que contabilizar neste funesto cenário, a passividade com a qual os cidadãos assintem a tudo sem fazer absolutamente nada. A pergunta é: Que país é esse?