sábado, 27 de fevereiro de 2010

NOITE FELIZ?! NA VISÃO DO SUBMUNDO

Aí, todo o ano é a mesma coisa. Neguinhu passa di bronca com um, com otro, ferrando um e otro. Mas quando se aproxima o tal natal, todo mundo tem crise di consciência e sensibilidade. No fundo é a hipocrisia em altas dosi. Esse papo di “bom velhinho” tá um saco. O comercio pega us cara pra tocar ainda mais na firida du; (eu sô bonzinho), pras malandragens si individá pru ano inteiro. Deve se este um dus mutivu ki na “noite feliz”, a maioria fica cum cara di abostado. Já u “bom Vélinho”, que muito di repenti ficô sem trampo o ano todo, numa zica disgraçada, vai faturá algum aturando aquelas cria chata e mal educada ki us pai sopra nu zovido dele, umas dica prus mandinho tipo; si comportá e blá, blá, blá.


A “santa igreja” foi a inventora du 25. Roma curtia uma festa pagã e os cara du clero meteram essa, na cabeça di todo mundo. Jesus não nasceu nessa data. Na boa, ninguém sabe! Mas, uns istudadu diz ki pela época; cum pastu, gadu e etc, ki Jesus deve tê vindo ao mundo caído entre junhu e otubru. A verdadi é ki tamu nessa aí di novo.


E dia 24 as “família” vão se reuní pra mais um atu hipócrita antes da virada du anu. No lado da pobreza, almas disprendida vai acalentá a falta da grana, du “pai” e us mandinho vai recebê “presenti”. Otrus vão andá pechinchando nus camelu e shop chão, as mercanças du paragua. E ainda tem a bandidagem né malandro, que vai metê uns assaltu pra levantá algum pra fezê uma “ceia na ‘noite feliz’”. Ô, é mole o ké mais?


Ki correrio du cão todo mundo faiz pra dizê ki tá plugado cum nascimento du Jesus. E ainda tem us ki não conseguiru nada i us ki tão no abandono. A deprê vai pegá. Ah se vai!


Magina, neguinho lá na puta solidão ou numa merda di dá dó, porque baqueou ou se feiz honestu e não caiu na vala da sacanagem, vendo fogos, as festança dus abastado e abestados, sem nada pra ele e pra prole. A não se o fejão coarroiz e ovu fritu di sempre. Cum sorti, vai rolá um osso, uns refri cola, umas caipa i um vinho sangui di boi.


Na boa, que datinha cruel mermão! Ondi é ki tá a “noite feliz”? E não dá pra isquecê ki o maió númiru di violência doméstica, cachaçada i neguinhu si matandu, rola nu natal. Sinceramente, eu penso que u Jesus deve ficá di cara cum tudo isso. Filho Dele sofrendo dum lado e bacana fazendo festa du otro. Pior; o cara ki tá di aniver é o menus festejadu. Mas dexa o barco segui com a hipocrisia né meu, nada vai mudá mesmu!


Lá na baia o negócio vai rolá dotro jeito. Eu não curto esse tal natal, mas... a mulhe vai fazê uma mesa cum pirú e aquelas baboseira toda e vai pintá um povo pra se juntá na onda. Pra não saí tão fora di sintonia, meti umas luizinha made in china na arvore do terrero e a mulhe e eu metemu um pinhero dentro du barraco. Dei um visú novo no clima. Fico legal! Hehehe. Não curto mais tô ligado.


No 24, antes di qualqué coisa, nu por du sol, vo fazê meu ritual di sempre. Minhas oração! Aí, eu agradeço ao Todo Poderoso por tudo e peço misiricórdia e proteção pra mim, prus meu e pra tu também, memu não ti conhecendu. Peço licença e mais misiricórdia, porque vo voltá pru pecado. Vo metê um osso na brasa, bebê umas ceva e curti umas música tipo; rock.


 E o recado já tá dado: nada di ficá naquela cena deprê olhando pru pirú o pru galão cheio di hormôniu ki chamam di chester, kuas perna pra cima deitado na cama di farofa infeitada. Se é festa di aniver, é pra curti.


Também não vai te esse negocio di meia noite, todo mundo já baqueado di fome, com cara di Ó, obedecendu a regra da babaquice. Aliás, pur causa du horário di verão a hipocrisia toda, rola às 11. Hehehe. Kiii lokuuura.


Mais assim, eu, di alguma forma respeitu essa cultura e cá um cá um. E quero dizê pra tu, ki ti deseju um belo e feliz natal. Sem frescura, sem ti consumí o se consumidu pelus apelo da Tereza (TV), mais ki tu sinceramente, a partir desti, nasça todos os dia para tu vê a vida como ela é e não como tu tem inventado e insistido para que seja du teu jeito e vem dandu erradu já faiz uma cara di tempu. Ô, dexa u Jesus di verdade fazê parti da tua vida mermão e tu vai vê ki muita coisa vai melhorá pru teu lado. Se tu for na minha pilha, aí mais du ki nunca; eu deseju muito, um feliz natal pra tu e pru teu povo.

* Quem não entendeu a linguagem, é porque não conhece esta realidade presente, persistente e indissolúvel.


Luigi Matté