segunda-feira, 24 de maio de 2010

VER O CIRCO PEGAR FOGO

Tenho recebido e-mails e encontrado leitores que me questionam sobre o fato d’eu não estar dando porrada na administração da terrinha. Sinto-me lisonjeado com tal pronunciamento. No entanto, as porradas que deveria ter dado, já as dei e também foram para o legislativo. Noutra ponta, outros periódicos já o têm feito noticiando os descalabros desta administração. Desta forma, me faz pensar, que os leitores que me seguem, mas que também acessam os outros veículos de comunicação, apenas querem ver o circo pegar fogo e ficar de camarote assistindo. Com o todo o respeito, chamo a isto de comodismo. Sei que tenho sido a voz de muitos. Sei também, que o que escrevo vem ao encontro dos descontentes e inconformados, porém, não sou papagaio pra ficar repetindo e repetindo sempre a mesma coisa.
O papel da imprensa e seus colaboradores, como é o meu caso, é trazer a luz os fatos incontestes em qualquer situação que envolva a sociedade como um todo. Prova disto, é que a mesma tem colaborado em muito, (quando trata com seriedade os temas de interesse coletivo). Muita vez faz o trabalho investigativo, que deveria ser da polícia, do MP, dos legisladores e assim por diante. Mas, os maiores interessados, (o povo), também devem fazer a sua parte e via de regra; não fazem. Mais uma vez; espera ver o circo pegar fogo!
Na terrinha houve o movimento contra os assessores da câmara. Pronunciei-me sobre o tema e se for o caso, em vendo que os tais assessores não passarão de meros recebedores da graninha, cairei de pau em cima novamente. Agora, por que não está havendo nenhum movimento para questionar as ações torpes desta administração?
Nas sessões da câmara, os caras têm feito da tribuna um muro de lamentação, parecendo Marias carpideiras. Ficam lá lamentando que fizeram pedidos de providências para isto e aquilo desde o início desta administração e até o momento não foram atendidos. Atiraram no colo deles um fato gritante relacionado ao raio-X do hospital e ninguém está tendo coragem de fazer uma CPI no caso. Já a famosa revista de prestação de contas, que é um verdadeiro álbum de fotografias do prefeito e vice, que é proibido por lei, tal a promoção pessoal, caracterizando improbidade administrativa e por conseqüência é imperativo o pedido de cassação de ambos, ao que parece, ninguém está levando adiante este caso. Já questionei: estão com medo do que? Afora isto, outros tantos descalabros não estão sendo investigados com afinco.
Cabe a quem as providências? Ao legislativo, MP e Tribunal de Contas e também, as associações de moradores e entidades, estas, a meu ver, só lotam a câmara quando se trata de sessões solenes e, quando é tratado tema de repasse de grana, como foi o caso já noticiado e que o “prefeito” não compareceu e ainda mandou porta voz se pronunciar por ele, a secretária de administração; Gabriela Streb. Na arrogância do texto, é enfática de que não serão repassados os recursos. E nem poderão, afinal, a graninha foi parar na parcela do décimo do funcionalismo. Entretanto na semana seguinte, o executivo encaminhava projeto à câmara, pedindo a aprovação para liberar recursos para o Chimarrão. A entidade não foge aos critérios das demais associações e entidades e também está assentada em área pública. Além do mais, conta com receita própria. Não importa se é pouca ou muita, o que importa; é saber por que do privilégio?
Pra Terminar: A faca está na mão e o queijo sobre a mesa para exigir do executivo a exibição na íntegra das contas públicas e demais situações nebulosas que vem acontecendo. A pergunta é: estão esperando o que? Por outro lado, escutei de um patrão de CTG, que caso a graninha não fosse liberada, amarrariam seus cavalos em frente à praça em protesto. Até agora... Não vi nada!