quinta-feira, 11 de outubro de 2012

PLÍNIO, (PSB) E ROSANI, (PSD), PREFERIRAM ENTREGAR A ELEIÇÃO PARA WALDIR, (PSDB) DO QUE DEIXAR PEDRINHO, (PT) GANHAR

A coligação do ódio, ao qual o PCdoB acabou fazendo parte em razão da legislação eleitoral e pela falta de bom senso de Pedrinho e este mesmo partido, precisava coligar com a majoritária para tentar cumprir com seu projeto maior; eleger pelo menos Carlito Borges, para que o PCdoB tivesse representatividade na câmara.

O objetivo foi atingido, mas partido nunca engoliu direito esta coligação e o mais irresignado com tudo isto, foi o próprio Carlito.

Por que coligação do ódio?

Em outra matéria no blog, A Voz já deu uma pinçada neste assunto e este ódio, não veio no pleito, ele começou muito tempo antes sendo de um lado Rosani ainda no PT, quando queria lá em 2008 ser a candidata a prefeita e não conseguiu, Plínio, também do PT, que se disse injustiçado por não ter tido o apoio do partido para concorrer a deputado estadual, (mentira), ele sequer consultou o diretório municipal sobre sua intenção e, em outra conversa disse que lançou seu nome para reservar vaga para Toco, (outra mentira) e depois disto, migrou para o PSB.

No outro lado, PV, a união dos desgostosos que sairam da administração Dilkin - PTB, partido de um homem só, Mauro Petry e PRTB, que nunca existiu de fato e só tinha um interesse, arrumar espaço em qualquer coligação que fosse para angariar cargos e, teve seu praticamente fim, quando o então presidente Mário, foi destituido do cargo, por diversas falcatruas usando o nome do partido e que também este mesmo partido foi apontado em rede nacional nos telejornais como o partido que vendia sua sigla por até R$ 300 mil.

O grande articulador deste projeto macabro, foi o presiende do PSB, que por suas rixas pessoais contra Carlinhos Vira Mato e Jaime Schineider, conseguiu reunir todos os descontentes e fazer uma coligação anti eles, anti Toco, anti PT.

Cabe lembrar, que o mesmo PSB que se revoltou desta forma, foi o mesmo partido que ocupou muitos cargos dentro da administração Toco durante os dois mandatos do ex-prefeito, ou seja; quando mamavam na teta tudo era bom, quando deixaram de mamar, Toco passou até ser chamado de chefe da quadrilha.

Luigi Matté foi quem começou toda a articulação para o pleito de 2012, ainda no final de 2010 e, em um jantar em sua casa, reuniu o PT - PSB e PCdoB, para a paritr dali começar o trabalho de coligação.

A ideia central proposta por Luigi Matté, era de que cada partido indicasse um ou mais nomes a prefeito e uma vez indicados, cada um deles deveria fazer seu trabalho pessoal para que a 'coligação' em pesquisa verificasse qual o nome se destacava mais e assim sairia o nome do prefeiturável, o segundo mais pontuado, consequentemente seria o vice, ambos seriam os candidatos independente da sigla partidária.

Também neste jantar ficou decidido que os partidos deveriam reunir suas bases para elaborar um programa de governo e na sequência, reunirem-se novamente para compor o programa com as ideias e prioridades elencadas por cada partido. Ninguém o fez!

Luigi Matté no entanto, ainda tentando cooptar o PSB, com o braço quebrado, foi quem escreveu o programa de governo e, num outro jantar, apresentou aos partidos que teoricamente fariam parte da coligação, porque noutra ponta, Pedrinho estava trazendo o PV - PR - PRB e PRTB, contrariando em verdade a propositura inicial de Luigi Matté.

O PSB - PV e PRB não compareceram, mas todos os presentes receberam uma cópia do programa, que mais tarde recebeu uma crítica indigesta de Pedrinho ao Jornal O Diário.

No pleito, tanto o PT quando o PSB e sua coligação, negam que tenham usado pelo menos a linha mestra do programa de govervo escrito por Luigi Matté, mas, a verdade sobre isto, está numa declaração de Gringo, feita ao diretor de A Voz quando, segundo ele, Pedrinho chamou aos filiados as pressas para elaborar um programa e Gringo disse a Luigi: me deram a minha parte, mas eu vou usar a tua que já está pronta.

Outra verdade sobre este fato, é que num almoço, promovido pela candidata Daniela, no palco falndo aos presentes, entregou nas mãos de Plínio o Programa de Governo, precidida da fala de Ernesto, membro da executiva do partido que disse a Plínio: Plínio, o PCdoB mesmo fora de eleição continua trabalhando e este programa é a nossa contribuição pra ti e pra Rosani.

Numa última tentativa, antes do fechar da porta das coligações, Luigi Matté tentou sem sucesso, demover o presidente do PSB a não cometer tal desatino e ainda acrescentou que o mesmo não deveria, deixar que uma rixa pessoal estivesse acima do partido, da coligação e dos interesses da própria população. Não adiantou e o resultado foi o que foi visto.

O presidente do PSB esteve por detalhe a ponto de coligar com Waldir, (PSDB), caso não tivesse tido o nome de Plínio como prefeito.

Desta forma, o objetivo principal, não era ganhar a eleição ou tirar Waldir do poder e sim, não deixar o PT ganhar.

O mesmo Luigi Matté ainda salientou o perigo desta divisão e sinalizou a possibilidade de Waldir ganhar novamente.

A enquete e a carta  de Toco que disconsertaram a Plínio e Rosani

Por incrível que possa parecer, a primeira enquete publicada pelo PT estava correta e acenava para a semelhança da pesquisa feita pelo PSDB, contudo, quando este publicou, já estava com data vencida e foi feita num cenário ainda conturbado, entre 11 e 12 de setembro.

Mas a gota d'àgua foi quando o PT publicou outra enquete sinalizando a virada em cim de Waldir e também apontando o cenário real da posição de Plínio na eleição; o último.

O PSB, por sua vez, sempre arrotava estar na frente mas nunca apresentou nem aos coligados os números de suas pesquisas.

E para piorar, Toco fez uma carta comovente tocando no sentimento do eleitorado que traduzia a verdade da relação do ex-prefeito com a população e esta enquete e a carta de Toco sinalizavam a vitória de Pedrinho com uma vantagem, apesar de não muito folgada, mas o consagraria prefeito.

Não era para Waldir ter ganhado não fosse a insanidade de Plinio e Rosani e 2008 se repetiu

Irresignados com o cenário que estava se desenhando e para não deixar o PT ganhar a eleição, o PSB publicou uma enquete mentirosa para confundir o eleitor, principalmente o do Rincão dos Ilhéus, posto que, Pedrinho faria 3X1 em cima de Waldir.

Não satisfeitos, Plínio colocou um carro de som dentro do bairro, aludindo que o Rincão precisave de um prefeito eleito pelo bairro e isto, mais uma vez balançou o eleitorado.

Mesmo assim, Plínio perdeu para Pedrinho dentro de seu próprio reduto e acabaram em último colocados nas urnas.

Esta diferença percentual de votos associada aos brancos, nulos e abstenções, garantiram a eleição de Waldir mais uma vez.

Portanto, se houver alguém para creditar a culpa, que esta seja creditada na conta do PSB de Plínio e PSD de Rosani Morsch.