segunda-feira, 8 de outubro de 2012

A REELEIÇÃO QUE NÃO CONVENCEU: WALDIR SE REELEGE MAS É REJEITADO NAS URNAS POR 70,29% DOS ELEITORES CONSIDERANDO OS VOTOS BRANCOS, NULOS E ABSTENÇÕES. ESTA É A ANÁLISE CORRETA.

Quem nesta ressaca pós eleição ainda esteja se sentindo ultrajado pelo fato de Waldir ter sido reeleito, não deve nutrir este sentimento, afinal, em números percentuais, ele foi rechassado nas urnas e mais do que rejeitado. São 70,29% o índice percentual que indicam claramente que a maioria dos eleitores, não queria mais Waldir no poder, considerando os votos brancos e nulos, onde Waldir também faz parte desta estatísca.

A ´vitória' que foi apertada, contou com o desatino e a insanidade da coligação PSB, onde, com certeza, Plínio trouxe de volta a símbrome Jorge Machado.

Por outro lado, a compra de votos chegou até mesmo a presidentes de algumas associações, além de perseguições e a reedição do voto de cabrestro, mesmo em pleno exercíco da democracia.
Mas o que isto importa, se A Voz já havia alertado de ele precisava desesperadamente desta reeleição?

Eles, (coligação PSB), que sempre mentiram sobre suas pesquisas que nunca foram apresentadas nem mesmo aos coligados, em vendo que Pedrinho faria 3X1 em cima de Waldir no Rincão, trataram de sexta-feira publicar e distruibuir uma enquete que não condizia com a verdade. Waldir tentou fazer o mesmo, mas, Plínio  sua troupe, onde uns são magoados com o PT e outros com o PSDB, fizeram uma campanha sem expressão e calcada em intrigas e fofocas a boca miúda.

Assim, na sexta-feira, além desta enquete mentirosa, a coligação tratou de colocar também, um carro de som no bairro Rincão e anunciar que o bairro precisava ter um prefeito saído de lá.

Como o Rincão dos Ilhéus, que quer tudo; saúde, educação, saneamento e outras tantas polítcas públicas, mas em verdade gostaria, no (cúmulo do absurdo), se tornar município ou pertencer a Novo Hamburgo, carrega consigo a empáfia de ser o bairro com o maior colegio eleitoral da cidade, mesmo não se consierando pertencente ao município.

Este desatino de Plínio e Rosani, (revoltados com o PT), foi fator determinante para tirar votos de Pedrinho e mesmo assim, perdeu no próprio Rincão dos Ilhéus para seu ex-companheiro e agora oponente.

A verdade é que esta coligação nunca teve um projeto político claro, a não ser um; tentar liquidar com Toco e o PT. Podem até, terem enfraquecido o Partido dos trabalhadores, mas não conseguiram seus intentos.

O PSB chegou a declarar que Plínio era o terceiro cotado para concorrer como prefeito e se caso o partido não tivesse candidato, se coligariam sem pestanejar com o PSDB de Waldir.

Desta forma fica mais evidente ainda, que o caso do PSB cabela de chapa, não queria outra coisa, senão se vingar do PT e de Toco.

O curioso nisto tudo, é que a maioria esteve com Toco em seus oito anos de mandato e não foram poucos os que garantiram seus empregos neste período, mas, como porcos, viram o cocho que os alimentou por tanto tempo, tudo por conta da rixa pessoal do presidente do PSB com Carlinho Vira Mato e Jaime Schneider, que acabou reunindo os também revoltados com Waldir.

Rosani por sua vez, insistia ainda no PT, que queria ser candidata a prefeita e em 2008 como seu intento não foi atingido, na reta final do pleito mandou sua troupe, pedir voto para ela e para Waldir. (Coisas de bastidores).

Rosani, tentou escapar do corte da câmara almejando se eleita como vice, mesmo contrariada e, para quem não sabe ou não entende, Plínio e Rosani seriam a repetição da desestrada administração de Waldir e Sérgio, ou seja: também iriam brigar e Rosani com certeza quereria, das as cartas do jogo. Fato este que ficou evidenciado no pleito quando já estava tomando a frente das decisões e impondo seus quereres.

A derrotada nos dois cenários políticos, talvez ainda tenha um outro problema para enfrentar e este diz respeito ao concurso no qual ela passou e galgou o cargo de enfermeira.

Porém, para que isto acontecesse, pelo menos onze dos que passaram no concurso a frente dela, foram despachados, ao serem informados da carga horária inexistente e com isto, chegou a vez dela.

Rosani também teve quase quatro anos para impedir os atos de Waldir e exigir a abertura das contas do atual prefeito, mas somente no pleito, quem sabe para fazer média junto ao eleitor, foi que ela fez isto e, para pior, não teve pulso para que tal fosse cumprido na forma da lei.

Assim, é incontestável que Plínio e Rosani, repetiram o feito de Jorge Machado, que também, por sete anos e meio, mamou e muito bem mamado na admnistração Toco e depois se voltou contra ele.