sexta-feira, 1 de novembro de 2013

UNASEV PROPORÁ A ENTIDADES AMPLA DISCUSSÃO COM A POPULAÇÃO SOBRE TERCEIRIZAÇÃO DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS - EV/RS

A polêmica sobre a terceirização, e não está descartada em médio e longo prazo a privatização de um patrimônio público e que tem atendido não apenas a população estanciense, bem como das cidades vizinhas.

O caminho que está sendo adotado pela atual administração e, de alguma forma tem encontrado guarida junto ao legislativo sem de fato saber ao certo sobre tal decisão, que, comprovadamente em outras cidades onde este tipo de negociação foi feita, trouxeram sérios problemas para a administração pública, bem como para a população que efetivamente depende do SUS – Sistema Único de Saúde.

A atual administração alega o custo mensal de cerca de R$ 700.000 mês para manter a unidade, mas não fala de que um valor a maior foi pago a cooperativa ALMED, que foi reprovada pelo TRE – Tribunal de Contas do Estado e nem isto o legislativo está levando em consideração.

Os problemas continuam e se agravam com esta cooperativa e, segundo o Tribunal de Contas, jamais, a administração pública poderia ter feito tal contratação.

Apenas para nortear uma ideia, o que é pago a um médico da cooperativa, é 36% a mais do que é pago para um médico concursado, ou seja: se um médico, (a exemplo), ganha R$ 10 mil mês, um médico desta cooperativa recebe, R$ 13.600 mês.

Somente nesta negociação ao qual sequer houve licitação, tanto a unidade quanto o município estão perdendo dinheiro, melhor dizendo, abrindo a torneira do cofre público.

Outra situação que deverá ser levada em conta é o fato de que o município conta com um quadro funcional estatutário e, neste sentido, o município terá de continuar arcando com estes salários e outras obrigações.

Afora isto, nenhuma empresa da iniciativa privada quererá assumir um compromisso desta natureza uma vez que o município não comporta um atendimento que supra o investimento que será feito, além do mais, os que dependem do SUS, ainda que a atual administração negue o fato, terão sim dificuldades no caso de internação, afinal, o atendimento deverá ser priorizado aos convênios e particulares.


Por estes e outros motivos, é que a UNASEV proporá as entidades um amplo debate com a população e apresentar a realidade dos fatos ao qual a atual administração tenta manter em sigilo para quem é leigo no assunto ou é tomado de assalto pela desculpa de que o HGV dá prejuízo, o que não é verdade e sim, pura e simples falta de gestão e de projetos junto ao Governo do Estado e Federal, em especial o Ministério da Saúde.